Pular para o conteúdo principal

inimigos públicos, amigos íntimos

Uma das amizades mais estáveis e duradouras é aquela celebrada entre o cinema e a história de criminosos. Não estou falando da interferência do crime organizado na produção de um filme, como o caso clássico e suspeito em que Frank Sinatra teria ganhado um papel relevante em A Um Passo da Eternidade (1953) com uma “forcinha” da máfia – o cineasta Francis Coppola fez uma referência nítida a esse episódio em O Poderoso Chefão.

Como Roliúdi não faz nada que o público em geral não esteja sedento por ver, de alguma forma, então, a vida bandida suscita interesse por parte da platéia. Talvez por curiosidade, a mãe de todos os pecados, talvez por fome de vingança, por desejo de ver a bandidagem no xilindró ou, em muitos casos, por querer ver a autoridade policial levar um baile dos bandidos.

Um dos primeiros filmes americanos, produzido em 1903 pelo inventor Thomas Edison, já tratava de assuntos policiais: O Grande Roubo do Trem. No entanto, foi a partir dos anos 30, quando os efeitos da Lei Seca e da Grande Depressão criaram a ocasião para o ladrão, que o cinema desenvolveu uma relação de glamourização lucrativa com os criminosos, cujos principais nomes eram chamados pelo FBI de “inimigos públicos”. Foi a época de Baby Face Nelson, do casal Bonnie e Clyde e John Dillinger, este o inimigo público nº 1.

As histórias registravam peripécias cheias de tensão e romance, que prendiam a atenção nas cenas de perseguição e morte e também mostravam o bandido com uma faceta trágica e ao mesmo tempo romântica. Compareciam ainda astros de primeira grandeza, como James Cagney, Paul Muni e Clark Gable.

No começo da era sonora do cinema, Alma no Lodo (1930) e Inimigo Público (1931) inauguraram o filme de gângster pintando o retrato da ascensão de delinquentes como empresários do crime que simbolizavam o anseio de afirmação social por meio da busca do sucesso a qualquer preço. Essa parecia ser uma caracterização inspirada tanto nos homens de negócios de Wall Street quanto nos chefões do crime. Nos anos 70, O Poderoso Chefão ressaltaria essa relação ao mostrar que os moldes da livre-empresa capitalista tipicamente norte-americana seriam adotados pela máfia italiana surgida na segunda metade do século 20, como fez a família Corleone do filme.

Voltando aos anos 30, filmes como Inimigo Público, Scarface e Vencido pela Lei apresentaram um novo modelo dos fora-da-lei. O anti-herói de ambição desmedida e torpeza moral tinha agora seus movimentos másculos encimados por um rosto de galã. Ele ganhava uma mocinha apaixonada que enxergava um lado humano que a polícia não via. O público chegava a torcer e compadecer-se com a morte do bandido galante.

O cinema não criou nada que já não existisse nos jornais da época. Em Inimigos Públicos, lançado recentemente, o criminoso/personagem John Dillinger (na pele do ator Johnny Depp na foto) tem uma noção de sua fama quando, capturado mais uma vez, vê a tempestade de flashes de câmeras que o rodeia. Essa dimensão de celebridade é realçada quando suas respostas irônicas divertem os jornalistas durante uma entrevista após ser preso outra vez. A era das celebridades midiáticas abria espaço para os marginais boa-pinta e, principalmente, de “bom coração”, já que Dillinger não atirava em gente desarmada nem roubava civis, só roubando bancos, onde estaria o dinheiro segurado dos mais ricos.

Sintomaticamente, o último cerco à Dillinger ocorreu enquanto ele assistia ao filme Vencido pela Lei (cartaz ao lado), em que o supergalã Clark Gable, o futuro Rhett Butler de ...E o Vento Levou, encarna um gângster que parece inspirado nos bandidos galantes daquele tempo. Mais que histórico, o encontro virtual de duas celebridades é cimentado pelas ações do personagem do filme, que vive para aproveitar a vida enquanto não é preso ou morto pela polícia.

Nesse ponto, já não se sabe se o cinema de gângster foi inspirado pelo mito do marginal charmoso ou se certos criminosos imitavam os marginais cheios de charme interpretados pelas estrelas do cinema. Seja como for, tanto o bandido real quanto o da telona eram lobos em pele de cordeiro, artifícios criados pela fantástica fábrica de celebridades.

Comentários

André disse…
Joêzer, postei mais um artigo sobre os infames tamborins de 1 Crônicas 15... veja lá!

recebi um email do Levi alardeando sua tese... bad news for you?? hehehe

abraçø
joêzer disse…
ao contrário, andré.
o levi tem se interessado pelos meus artigos e o site música e adoração é um ponto de referência para muitos leitores. espero que seja o prenúncio de good news. rsrs
irei lá ver seu texto.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta