Pular para o conteúdo principal

o evangelho segundo o gospel

No começo deste ano, a Revista do Conservatório da UFPel (RS), publicou meu artigo "O Evangelho Segundo o Gospel: mídia, música pop e neopentecostalismo". Nesse trabalho, constam as linhas principais da minha pesquisa de mestrado sobre a música gospel no Brasil: cultura, canção pop e pentecostalismo. Com subcapítulos como, mídia e o gospel no Brasil, o gospel e a sacralização do pop, abordo o fenômeno da música da religiosidade cristã contemporânea, observando principalmente a relação da indústria fonográfica gospel com as estratégias e operações do mercado fonográfico da assim chamada mídia secular. A seguir, algumas considerações extraídas do texto (ao final, indico novamente o link para o artigo completo):

"A música gospel tem sido um destacado vetor de divulgação da renovação religiosa promovida pelo neopentecostalismo. No estudo da música cristã contemporânea no Brasil, este artigo analisa a integração e a similaridade da canção gospel em relação aos modelos da canção pop quanto às formas de elaboração musical, performance, difusão comercial e midiática e recepção pública.

"Disseminado como um estilo musical no começo do século passado, o gospel encontra seu apogeu no Brasil na última década do século XX ao transpor as fronteiras de origem norte-americana, ser devidamente globalizado pelo cristianismo contemporâneo e tornar-se marca de uma nova cultura cristã. O universo do gospel não consiste apenas de músicas e letras que abordam temas religiosos cantados por músicos evangélicos. Nos primeiros anos do novo século, o gospel revela- se a estrutura da tecnologia e do mercado evangélicos que se desenvolveram em seu entorno e, sobretudo, faz parte das novas atitudes e condutas cristãs geradas a partir das transformações religiosas e culturais experimentadas na dinâmica da pós-modernidade.

"A integração dos músicos neopentecostais à modernidade tem sido marcada pela adoção de gêneros musicais de sucesso popular, como o funk, o rock, o forró, o pagode. Esses estilos são introduzidos pela renovação musical cristã, que se sustenta tanto na reprodução dos gêneros musicais nacionais quanto na adaptação de tendências musicais globalizadas, em um processo que acompanha a diversidade dos estilos musicais divulgados pelos meios de comunicação de massa".

Continue lendo...

ou clique no link para fazer o download completo do artigo disponível gratuitamente: http://www.ufpel.edu.br/conservatorio/revista/artigos_pdf/artigo09.pdf.


Nota: Este artigo é uma reelaboração e expansão das ideias estudadas no artigo "Canção Gospel: trilha sonora do cristianismo na pós-modernidade", publicado, em diferentes versões, nos anais do Congresso-2007 da ANPPOM-Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música (disponível aqui) e também na revista Acta Cientifica (2008) do UNASP - Centro Universitário Adventista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta