01 dezembro, 2008

Cem Palavras: História

"Nenhuma história universal faz com se passe da selvageria ao humanitarismo, mas existe uma história que está mudando do estilingue para a bomba de megaton... O Todo que continua se desenrolando até hoje - com eventuais pausas para respirar - seria teleologicamente o absoluto do sofrimento."

Theodor Adorno - citado por Terry Eagleton, em As ilusões do pós-modernismo, p. 56


"Há um quadro de Klee que se chama Angelus Novus. Representa um anjo que parece querer afastar-se de algo que ele encara fixamente. Seus olhos estão escancarados, sua boca dilatada, suas asas abertas.
O anjo da história deve ter esse aspecto. Seu rosto está dirigido para o passado.
Onde nós vemos uma cadeia de acontecimentos, ele vê uma catástrofe única, que acumula incansavelmente ruína sobre ruína e as dispersa a nossos pés.
Ele gostaria de deter-se para acordar os mortos e juntar fragmentos. Mas uma tempestade sopra do paraíso e prende-se em suas asas com tanta força que ele não pode mais fechá-las.
Essa tempestade o impele irresistivelmente para o futuro, ao qual ele vira as costas, enquanto o amontoado de ruínas cresce até o céu. Essa tempestade é o que chamamos de progresso."


Walter Benjamin, Obras Escolhidas, p.226.

Nenhum comentário: