Pular para o conteúdo principal

Todo mundo odeia o Bush


George W. Bush sairá da vida na Casa Branca para entrar na história. Na história das anedotas e piadas. Algum outro presidente foi tão satirizado, criticado e odiado quanto o filho de George Bush I?

Qualquer Forrest Gump percebeu que o atual presidente passou os dois mandatos esforçando-se tenazmente para angariar o rancor e o ressentimento do mundo. Nenhum foi tão bem-sucedido em ativar o anti-americanismo latente em todas as nações que vivem na esquizofrenia de amar e odiar a América ao mesmo tempo.

Rememoremos algumas das peripécias de George W. Bush no comando da nave imperial:
1) Seus espias e arapongas não se prepararam devidamente para o súbito ataque terrorista de 11 de setembro.
2) Passou meses caçando em vão o inimigo público #1, Osama Bin Laden.
3) Fez da invasão ao Iraque um canteiro de obras para as empreiteiras ligadas ao lobby de políticos republicanos.
4) Chafurdou num atoleiro à la Vietnã ao subestimar a capacidade de retaliação iraquiana, cujos homens-bomba iletrados e desempregados são usados como literais buchas de canhão pelos islâmicos mais belicistas e fanáticos.
5) Foi acusado de negligência no socorro às vítimas do furacão Katrina.
6) Não ganhou mas levou a reeleição. Se isso tivesse ocorrido numa republiqueta sul-americana, a região teria sido infestada de inspetores da Transparency International.
7) Vai deixar o trono com o país financeiramente nocauteado. A culpa pelo caos econômico não é só de Bush. A política financeira americana vem há décadas abusando de períodos de vacas gordas, com pequenos sustos aqui e acolá. Como nenhum outro presidente fez o dever de casa antes, a crise estourou no colo de Bush. Nunca na história da república americana houve homem mais errado na hora mais errada no local mais errado.
8) Foi o marechal de Guantánamo, a terra sem lei.

Como se vê, se a ONU fosse o DETRAN, Bush teria sua carta de motorista da máquina americana tomada por imprudência, imperícia e negligência.

Depois de ser retratado (exageradamente, muitas vezes) como um político sem dotes, como um Jerry Lewis mais apalermado, como um Chuck Norris piorado, enfim, após tantos equívocos e subterfúgios, o homem chegou ao grau máximo de descrédito. Porque se não fossem seus movimentos friamente calculados, Bush teria levado uma sapatada de um jornalista iraquiano, que ainda o chamou pelo insulto sórdido de “cão”. Perto dos epítetos pelos quais a comunidade ocidental andou lhe chamando, o xingamento canino chega a ser reconfortante.

É triste ver um homem que não consegue fazer amigos. Se bem que, no Dia de Ação de Graças deste ano, Bush seguiu a tradição e perdoou um peru aliviando-o da panela certa. Pelo menos com um amigo ele poderá contar.

PS: eu demorei mais que vocês pra perceber que, na foto "Um presidente no jardim-da-infância" (na cumeeira desta postagem), Bush segura o livro em posição pouco ortodoxa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta