Pular para o conteúdo principal

Falecimento de Samuele Bacchiocchi

Um dos gigantes da erudição bíblica, o Dr. Samuele Bacchiocchi faleceu no sábado, dia 20, aos 70 anos de idade. Professor de teologia aposentado da Andrews University, no Estado do Michigan, passou seus últimos momentos em casa com a esposa e seus três filhos, na véspera do aniversário de 47 anos de casamento.

Bacchiocchi foi o primeiro não-católico a formar-se na Pontifical Gregorian University em Roma, tendo recebido uma medalha de ouro do Papa Paulo VI por conquistar a distinção acadêmica summa cum laude. Sua tese: “From Sabbath to Sunday: A historical investigation of the rise of Sunday observance in Early Christianity” (Do sábado ao domingo: uma investigação histórica do surgimento da observância do domingo no cristianismo primitivo).

Nesse trabalho, Bacchiocchi, um adventista do sétimo dia, mostrava que não havia nenhuma ordem escriturística para mudar ou eliminar a guarda do sábado e apontava o papel preponderante da Igreja Católica na efetivação dessa mudança.

O professor indicava ainda o anti-judaísmo e a adoração pagã ao sol como fatores de abandono do sábado e influência na adoção do domingo. Ele evidenciava o anti-judaísmo latente nos escritos de alguns líderes cristãos do segundo século que “testemunharam e participaram no processo de separação do judaísmo que levou a maioria dos cristãos a abandonar o sábado e adotar o domingo como novo dia de adoração”.

Bacchiocchi apontou também a influência do culto pagão ao sol como “explicação plausível para a escolha do domingo” e cujo efeito teria se estendido a marcação do Natal como data do nascimento de Jesus. “A adoção do dia 25 de dezembro como celebração do Natal é talvez o exemplo mais explícito da influência do culto ao sol sobre o calendário litúrgico cristão”, escreveu Bacchiocchi. “É conhecido o fato de que a festa pagã do Dies Natalis Solis Invicti – o dia do nascimento [aniversário] do Sol Invencível, acontecia naquela data”.


Entre outras publicações, Bacchiocchi também foi organizador do livro Christian and Rock Music. Autor de sete dos doze capítulos da obra, Bacchiocchi faz uma análise dos aspectos filosóficos, éticos, sociais e religiosos do rock e procura oferecer uma resposta cristã aos valores predominantes propagados pelo rock. O livro rema na contramão da corrente moderna que faz uso evangelístico da música pop e critica o utilitarismo do proselitismo religioso.

Alguns capítulos ou pontos da pesquisa podem ser vistos como conservadores ou até mesmo destoantes dos estudos culturais contemporâneos ao negar um posicionamento ativo do espectador/ouvinte de música pop e de música gospel. Porém, os argumentos de Bacchiocchi para uma teologia da música adventista (capítulo 6) são pertinentes e válidos como reflexão sobre os usos e recursos da música na igreja.

Os capítulos 10 (Música Popular e o Evangelho), escrito pelo Dr. Calvin Johansson, 12 (O rock e a Cultura), de Eurydice Osterman, e 13 (Música e Moralidade), escrito pelo erudito Wolfgang Stefani, oferecem boas pistas para o debate sobre a música pop no contexto cristão-evangelístico. Eles questionam a conformação musical cristã à estética musical pop, confrontando o meio e a mensagem da música das mídias.

Para além da discussão fundamentada em gosto pessoal, esses estudiosos buscam trazer luz para o debate, providenciando bases bíblicas e sociológicas para o esclarecimento de questões prementes.

Você pode ler uma tradução autorizada no site música e adoração.

Comentários

um grande historiador faleceu...
mas não pode ser confundido com teólogo
sua metodologia de argumentação teológica era, no mínimo, parcial...
não irei falar muito a respeito disso no momento, mas ele foi um grande campeão na área do estudo sobre o a história do Sábado, mas foi muito, muito infeliz em pseudo-teologia relacionada a comportamento e atualidades...
joêzer disse…
de fato, pelo menos no tocante à teologia da música (não conheço seus escritos em outras áreas), os argumentos que ele utiliza valem como reflexão ou ponto de partida para ampliação do debate.

mas essa ainda é uma área que aguarda um olhar teológico com maior abrangência de perspectivas (estudos culturais, etnomusicologia, história social).
André disse…
Concordo com André que ele foi infeliz em sua abordagem musical pseudo-bíblica, como explorei na minha resenha do livro em www.igrejaadventista.com

Especialmente problemática é a abordagem de Calvin Johannson que delega a música a somente os profissionais da música mais bem treinados. Segund a agumentação de Calvin J., os irmãos leigos e simplórios de 90% da IASD não "merecem" oferecer um louvor que seja aquém do patamar estético perfeccionista musical da elite da qual ele faz parte.
ELYANE aMORIM disse…
Seu livro Imortalidade ou ressurreiçao é sui generis, e todo cristão biblico deveria lê-lo
Marcos Sancho disse…
o livro imortalida ou ressurreição eu recomendo, não percam esta oprtunidade
marcos Sancho disse…
Não pecam oportunidade de conhecer a Doutrina Holística da Biblia
Anônimo disse…
Todas as religiões da terra estão totalmente erradas. A tese de Samuele Bacchiocchi está correta acerca da guarda do sábado. Jesus Cristo jamais violou o sábado. Os mesmos judeus que acusaram Jesus de violar o sábado, foram os mesmos que o levaram para a cruz. A Bíblia fala de uma grande babilônia e fala também das suas filhas que não aceitam a guarda do sábado. Satanás é astuto, pois, ele sabe que o sinal de Deus com os seus filhos é o sábado. As igrejas estão no maligno em violar o sétimo dia.Satanás sabe que no final dos tempos haverá o ecumenismo, mas sabe também que o povo de Apocalipse 12:17 não renderá culto a satanás´, pois não farão parte dessa união. Samuele estava correto, pois, na nova terra e novo céu que Deus preparou para os seus filhos, todos prestarão culto no sábado. A derrota de Satanás começou na cruz do calvario e terminará com a segunda vinda de Cristo. O tempo dirá quem tem razão.
Obrigado por estas considerações. Júlio César Prado.

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…