Pular para o conteúdo principal

O salto de fé

Michael Jackson se converteu ao islamismo, segundo o tablóide inglês The Sun. Em cerimônia particular e trajando a indumentária islâmica tradicional, o popstar participou de um ritual realizado na casa de um amigo em Los Angeles. Diz o jornal, conhecido pela língua ferina, que o cantor está atravessando problemas legais, sendo processado em uma corte em Londres por Abdullah bin Hamad al-Khalifa, xeique do Bahrein. Jackson teria dado um calote de 7 milhões de dólares no xeique, a título de adiantamento em 2005 para gravar um novo CD. Al-Khalifa diz que o cantor nunca cumpriu sua parte no acordo, e quer o dinheiro de volta.

A família de Michael Jackson era da igreja das Testemunhas de Jeová, o que não impediu o sucesso dos Jackson Five (Michael e seus irmãos) na música pop americana dos anos 70. Mas o cantor que aos 24 anos se tornou o ídolo do álbum mais vendido da história (42 milhões de cópias e projeções de quase 100 milhões até hoje), nunca mais foi capaz de repetir o êxito.

De menino-prodígio à mega-star, do sucesso à ruína moral e financeira, sua vida se tornou um refrão ruim e infinito de fiascos musicais, processos e dívidas. Segundo o tablóide, por interesse comercial, segundo os amigos, por necessidades espirituais, Michael Jackson teria adotado a religião islâmica, passando a se chamar Mikaeel -nome de um dos anjos de Alá.

Há um longo histórico de conversão de famosos às religiões cristã e islâmica. Quase sempre quando estão no fundo do poço financeiro ou então quando desprezados pela mídia. Em todo caso, não custa lembrar que a máscara do artista só dura no palco (máscara que ele é obrigado a mostrar sempre para os fãs). Nos bastidores ou em casa é que se revela sua verdadeira face; face que pode esconder atribulações e infelicidade dentro da alma, a despeito de sucessos ou fracassos. É então que ele decide dar um salto. Um salto em direção ao que muitos acham o mais improvável. Nesse salto, ele acredita cair nos braços de um Deus de amor, que lhe acalma, que apaga suas transgressões como a névoa, que lhe dá um novo sentido na vida.

Não faço a menor idéia de qual seja a motivação real do salto de Michael Jackson, nem se ele saltou de fato. Mas às vezes, de tanto ouvir falar em alguém, parece que conhecemos mais os outros do que a nós mesmos. Mas, e o nosso salto de fé, porventura, continua valendo? Ou nossa fé tornou-se um salto alto de arrogância e aparência de piedade? Estamos tentando sair dos Braços para os quais saltamos com a fé ainda cega mas já afiada ou nos aninhamos diariamente nAqueles braços?

"Examine-se, cada um, a si mesmo".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta